top of page

Lobo Guará é flagrado por armadilha fotográfica na Mata Atlântica do Brasil

Por Lee Dingain

Faz tempo que o ambientalista e fotógrafo de natureza Juran Santos há muito tempo capta imagens de animais da Mata Atlântica, tendo começado a visitar regularmente a REGUA há seis anos para registrar e monitorar a vida selvagem da reserva, montando armadilhas fotográficas ao longo de diversas trilhas, auxiliado pelo nosso Guarda-Parque Rildo da Rosa Oliveira.


As armadilhas fotográficas são ideais para monitorar a vida selvagem com o mínimo de perturbação e impacto, fornecendo informações raras sobre o comportamento de espécies que são raramente avistadas. Puma, Gato-Maracajá, Jaguatirica, Tamanduá do Sul, Irara, Graxaim-do-mato [espécie de Cachorro-do-mato] e Cuíca-de-três-listras estão entre os mamíferos altamente evasivos registrados pelas armadilhas fotográficas de Juran na REGUA até o momento, com pássaros raros que vivem no solo da floresta como o Macuco, incluindo grupos familiares e rituais de acasalamento; bandos forrageando do Uru-capoeira e do Vira-folha em vídeo. Nada, no entanto, preparou Juran e Rildo para o que os arquivos de vídeo da armadilha fotográfica baixados na semana passada revelaram: o primeiro lobo-guará da REGUA.


O maior canídeo encontrado na América do Sul, esta 'raposa com pernas de pau' é facilmente reconhecida por suas pernas pretas incrivelmente longas - uma adaptação ao seu habitat de pastagem - pelo longo marrom-avermelhado, orelhas grandes, cauda com ponta branca e crina preta em seu pescoço e costas, daí o seu nome. O lobo-guará está associado a habitats abertos quentes e secos, como pastagens arbustivas e florestas de dossel aberto no interior do Brasil (Cerrado) e no Paraguai (Chaco), evitando fortemente habitats florestais com dossel fechado. Raramente são encontrados na encosta florestada húmida da serra dos Órgãos onde se situa a REGUA, pelo que o aparecimento deste indivíduo na densa floresta húmida da REGUA é uma grande surpresa.


Então, o que o trouxe aqui?


A perda do seu habitat para a agricultura, a matança retaliatória pela predação de gado, a caça furtiva para jardins zoológicos e coleções particulares, a caça de troféus e as doenças infecciosas transmitidas por cachorros domésticos são as principais ameaças a esta espécie. Os lobos-guará são forçados a viajar para lugares mais distantes em busca de comida e água, e a fragmentação do habitat pelas estradas bem como o aumento do tráfego rodoviário levam muitos a serem atropelados por veículos em toda a sua área de distribuição. O indivíduo registado na REGUA pode ter estado de passagem em busca do seu habitat aberto preferido, ou talvez tenha expandido a sua área de alimentação. De qualquer forma, a mata protegida da Reserva Ecológica do Guapiaçu oferece refúgio para esse magnífico animal e também para todas as outras espécies capturadas por Juran em armadilhas fotográficas.




Comments


bottom of page